quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Casapueblo agradece ao sol todo dia em cerimônia no fim da tarde

 A casa parece ter algo de Antonio Gaudí ou de Salvador Dalí. Uns até dizem que é uma casa "muito engraçada". O fato é que ninguém sai incólume dali. Cada viajante terá um palpite sobre qual referência arquitetônica lembra a Casapueblo. O estilo da construção branca em cima de uma encosta em Punta Ballena tem nome: Carlos Páez Vilaró.



Com vista para o mar e um pôr-do-sol de deixar qualquer um estupefato, a casa começou a ser erguida nos anos 50 por Vilaró e foi tomando proporções esculturais. Toda branca por fora, ela tem formas arredondadas e um quê psicodélico, que se estica do topo do morro quase até o mar.


Tudo começou com uma casinha de lata, em 1958, para ser o ateliê do artista. Decorada com grafismo à beira do precipício, chamava a atenção dos pescadores. Da casa de lata, que virou de madeira e passou a ser coberta dois anos depois com cimento, o ateliê foi ganhando forma marcante. Feito a mão, foi se estirando. Hoje, o local, além de guardar sua oficina de criação e sua morada, abriga um hotel com 70 quartos, que se debruça para o mar.



É curioso saber a origem dos versos "era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada" de Vinícius de Moraes, amigo de Vilaró, e que passou uns tempos na Casapueblo. A tal da casa, na trova improvisada pelo poetinha numa manhã diante do mar para as filhas do artista, dizia no contexto: "Mas era feita com pororó, era a casa de Vilaró".




A melhor hora para estar em Casapueblo é, sem dúvida, no entardecer. Todos os dias, religiosamente, acontece a cerimônia do pôr-do-sol em horários diferentes. Com a chegada do verão, o horário é cada vez mais tarde. Durante alguns minutos, os visitantes rumam para a varanda e começam a ouvir uma narração do artista gravada em fita.


"É uma conversa com o sol, meu amigo mais antigo", explica Vilaró. O companheiro de anos, segundo ele, é o astro com o qual, não importa em que parte do mundo estivesse em suas viagens, sempre encontrava. "Te encontrei no Taiti e na África, estou te olhando e vejo que não mudou", diz a fita.



Durante a cerimônia, o silêncio paira e ouve-se o assovio do vento. O sol surge forte e, com o final das palavras gravadas, desaparece. A cena é nostálgica e combina com tudo o que há na Casapueblo.

 Museu Casapueblo - Diariamente das 9h até o pôr-do-sol. Ingresso: US$ 5.



Por: MARGARETE MAGALHÃES
Enviada especial ao Uruguai
www1.folha.uol.com.br

Nenhum comentário: