quinta-feira, 4 de novembro de 2010

NYC por Martha Medeiros

A BIG APPLE

Estive por uma semana em Nova York a fim de oxigenar as ideias e ver o que há de novo, mas não vi nada de novo. A arquitetura segue sendo a grande atração da cidade. Os prédios estão cada dia mais exuberantes, ainda que nenhum me pareça tão arrebatador quanto o Chrysler Building, construído em 1930. A vida cultural novaiorquina é febril, mas a emoção causada pela mostra de Matisse, no MOMA, não foi superior à emoção que tive ao ver a exposição sobre Portinari no MARGS mês passado. E onde mesmo que estão se apresentando por esses dias Baryshnikov, Paul McCartney, Gotam Project, Fito Paez, Green Day e Norah Jones? Sem falar que o Prêmio Nobel de Literatura estará palestrando amanhã ali na Reitoria da UFRGS.
Não cheguei à demência de comparar Porto Alegre com Nova York, mas buscar novidade em Manhattan já não se justifica como justificava décadas atrás. A globalização encurtou distâncias e, guardadas as proporções, o que tem lá, tem aqui, só que fora é mais barato, o que passou a gerar um turismo já não tão interessado em cultura, história e informação. Hoje a maioria dos turistas viaja para os Estados Unidos para fazer compras.
Reconheço que eu ainda tinha uma ideia mitificada da metrópole que me parecia sempre à frente, uma promessa de novas tendências e interesses, e que na verdade passou a ser tão mundana como qualquer outra – o que não é demérito, apenas consequência do nosso avanço, não do deles. O Meatpacking District, o bairro do momento, reúne lojas e restaurantes que não diferem em nada dos de São Paulo. O Brooklyn é o novo Soho, e caminhar por suas ruas me fez sentir em Palermo, na nossa vizinha Buenos Aires. O mundo está cabendo na palma da nossa mão.
Nem na Quinta Avenida, nem na Madison, nem em Times Square consegui algum impacto. A experiência mais moderna que vivenciei em Nova York foi quando entrei na Barnes and Noble, famosa rede de livrarias.
Estava a procura de um livro infanto-juvenil e de jogos de computador que haviam me encomendado. Não conseguindo encontrá-los sozinha, pedi ajuda a um dos atendentes, que na mesma hora localizou o livro (inclusive ele já o tinha lido) e rapidinho me entregou os jogos de computador com a eficiência de um profundo conhecedor das novidades do cyberspace. Não perguntei a idade do guri por uma questão de decoro, mas ele aparentava ter entre 75 e 80 anos.
Emprego de mão-de-obra qualificada sem restrição de idade. Está aí uma visão de mundo futurista. Não existe mais a velhice computada pela data de nascimento, e sim a velhice de espírito. Outro dia li um comentário de uma leitora de ZH sugerindo que parássemos de chamar de idoso o pessoal de 60 anos. Está certa. Não há idade limite para se trabalhar numa locadora, num restaurante, num supermercado, num posto de gasolina: o que define o bom do mau empregado é sua disposição e capacidade. Um garoto de 20 anos poderia ter me atendido sem nunca ter ouvido falar do livro infanto-juvenil que eu procurava e ter tido má vontade para localizar os jogos. Velho mesmo é o sujeito preguiçoso, desatualizado, desanimado, tenha a idade que tiver.
Eu, como se vê, ando caquética pra quase tudo, mas ainda engatinho em busca de algo que realmente me surpreenda.


Nenhum comentário: