quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Mais de 60 mil turistas poderão dormir em navios durante a Copa

Governo quer promover cruzeiros em 2014 e durante a Olimpíada do Rio em navios que também poderão servir só como dormitórios.


Mais de 60 mil turistas poderão ficar hospedados no mar durante a Copa do Mundo de 2014. A estimativa da Secretaria Especial dos Portos leva em conta os investimentos de R$ 740,7 milhões anunciados nesta semana em projetos de expansão da capacidade dos portos.
Com isso, nos sete portos que atenderão à Copa poderão ficar atracados ao mesmo tempo mais de 20 navios, em que se hospedarão até 67,5 mil pessoas ao mesmo tempo. Nesses mesmos portos, ficaram em média 12,5 mil passageiros por dia na temporada passada. Apenas no Rio de Janeiro e em Santos, por exemplo, poderão ficar ancorados até seis navios simultaneamente.
Segundo o ministro Pedro Brito, da Secretaria dos Portos, em grandes eventos como a Copa e a Olimpíada de 2016, cruzeiros costumam ser fretados especialmente para os períodos dos jogos.
Mas Brito não descarta que navios sejam trazidos e usados especialmente como leitos durante os eventos. "Apenas no Rio, com capacidade para seis navios aportarem ao mesmo tempo, teremos uma capacidade de cerca de 18 mil leitos." Para ele, essa é também uma forma de complementar a rede hoteleira, principalmente para a Olimpíada no Rio. O valor dessa diária a bordo, porém, variará muito, principalmente conforme o tamanho do navio e o luxo da cabine escolhida pelo turista, podendo ser mais barata ou mais cara do que uma hospedagem em hotel.
O investimento anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no início desta semana será destinado a sete diferentes portos, que estarão nas cidades-sede da Copa ou nas suas proximidades. Haverá investimento nos portos de Santos (próximo a São Paulo), Recife, Natal, Salvador, Mucuripe (próximo a Fortaleza), Rio de Janeiro e Manaus. O investimento será destinado principalmente a terminais de passageiros e píeres para que mais navios possam atracar e os visitantes embarcar e desembarcar.
O ministro explica que, com a necessária antecedência, deverão ser abertos processos de licitação para que agências de turismo tragam os navios até o Brasil em 2014. No caso da Olimpíada, esse contrato será feito pelo próprio comitê de organização dos jogos. Ainda segundo Brito, o Ministério das Cidades também promove ação para melhorar as condições de acesso dos turistas que partirão dos portos até a chegada às arenas onde ocorrerão os jogos.
Porém, o presidente da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar), Ricardo Amaral, mostra grande ceticismo quanto à capacidade de o Brasil trazer mais navios para sua costa. Segundo ele, há grande distância entre os investimentos anunciados e as obras, de fato, melhorarem a infraestrutura dos portos brasileiros. "Ninguém vai bancar mais navios, que demoram dois anos para chegar, apenas com a expectativa de uma melhora." Ele destaca também que o período dos eventos esportivos é um revés para atrair os transatlânticos. "Eles ocorrerão no inverno brasileiro, quando os navios costumam lucrar muito mais com o verão europeu."
Os últimos anos foram de grandes avanços para os cruzeiros brasileiros. De 2004 a 2009, o número de passageiros no turismo de cabotagem, ou seja, na navegação com origem e destino dentro dos limites do país, subiu de 139 mil para 542 mil. O aumento foi de 374%. Também subiu em ritmo similar o número de escalas que os navios fazem no país, de 204 para 907. O número de emprego diretos e indiretos nesse ramo do turismo subiu de 14,7 mil para 39,1 mil. Todos esses dados são da Abremar.
O setor, porém, não passou ileso da crise econômica de 2009, que retraiu turistas mundo afora. Antes disso, porém, na temporada 2007/2008, o movimento econômico da navegação brasileira atingiu soma de US$ 712 milhões. Quase a metade desse total refere-se a valores pagos por viagens em cruzeiros e pelas despesas dos turistas a bordo. A procura por cruzeiros no país nos últimos anos cresceu para turistas nacionais e também para estrangeiros.
Para a temporada 2010/2011, a expectativa da Abremar é positiva, com novos destinos para atracações confirmados. Para eles, cinco navios deverão vir pela primeira vez ao país nesta temporada, que começa em 3 de outubro. A Associação prevê, ainda, que 884 mil turistas passearão pelo mar e por 21 cidades da costa brasileira nessa próxima temporada.
Para Amaral, da Abremar, porém, se não fossem os impedimentos em infraestrutura, esse aproveitamento poderia ser ainda maior. Por exemplo, Ilhéus, na Bahia, tem lugar para só um grande navio ao mesmo tempo, e Santos, o maior porto do país, tem apenas dois para passageiros, diz ele.
A Secretaria dos Portos tem em ação o Programa Nacional de Dragagem (PND), que faz parte do Programa Aceleração do Crescimento (PAC) e visa a melhorar a capacidade dos portos em receber grandes navios. Segundo o ministro Pedro Brito, estão previstos um total de quase R$ 3,6 bilhões a serem investidos no aumento do calado dos portos (a distância entre o nível do mar e o solo) e em novos píeres. No PAC 2 são outros R$ 5,2 bilhões. "Queremos que a navegação de cabotagem deixe de atender a apenas 13% do volume do transporte nacional para chegar a 29% em 15 anos."


 Fonte: Danilo Fariello - iG Brasília

Nenhum comentário: